John Deere comemora os 50 anos da primeira colheitadeira do Brasil

John Deere comemora os 50 anos da primeira colheitadeira do Brasil

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Rate this article:
No rating
Há 50 anos um fato histórico mudaria o perfil do agricultor brasileiro em busca de mais desempenho no campo: o lançamento da primeira colheitadeira autopropelida do Brasil. O feito aconteceu exatamente no dia 5 de novembro de 1965, quando foi montado o modelo SLC 65-A, em Horizontina (RS). O equipamento, produzido pela empresa gaúcha Schneider Logemann & Cia, era inspirado no modelo 55 da John Deere - uma das mais avançadas máquinas de então.

Na época, muitas colheitadeiras eram importadas e havia a necessidade da fabricação local. A SLC vislumbrou essa oportunidade e foi pioneira, conforme explica Ariosto Moraes, gerente regional de Treinamento da John Deere Brasil. Ariosto faz parte dessa importante história, já que ele trabalha na empresa desde antes da aquisição da SLC pela John Deere, tendo iniciado sua carreira há 45 anos. "Foi uma aposta visionária e isso foi vital e revolucionário para a agricultura brasileira na época. A revolução maior foi o aumento de plantio de soja que iniciou na região e se expandiu para o estado do Rio Grande do Sul e Paraná", conta.

Parcerias e aquisições

Sempre visionária e buscando expandir seu know-how tecnológico, em 1979 a SLC vendeu 20% de suas ações à John Deere e iniciou uma história juntos no Brasil. Em 1983 lançou o modelo 6200, trazendo a tradicional cor verde e a tecnologia da líder mundial em equipamentos agrícolas. Em 1996, a John Deere adquiriu mais 20% do capital da SLC, e começaram a fabricar no Brasil os tratores SLC-John Deere. Alguns anos mais tarde, em 1999, a John Deere adquiriu o controle total da SLC e em 2001 a marca foi mundialmente incorporada no país, quando todos os equipamentos produzidos passaram a ter oficialmente o nome John Deere.

Desde 1945, ano de sua fundação, a SLC atuava na fabricação de pequenos implementos agrícolas e trilhadeiras. Entretanto, com o aumento significativo do cultivo da soja na década de 1960, tornou-se necessária a fabricação de máquinas mais eficientes e maiores, que ajudassem os agricultores em suas lavouras. "As pessoas estavam animadas com a novidade, pois sabiam que poderiam plantar por que teriam mais tecnologia para colher. Isso expandiu os investimentos em plantio de soja e o resultado das famílias que iniciaram o ciclo dessa cultura no Brasil", relembra Ariosto.

A princípio foi apenas uma colheitadeira e conforme a demanda aumentava, foi expandindo sua produção de máquinas, basicamente pelo aumento da área de plantio de soja no Brasil. Em 1970 já ultrapassavam mil unidades de colheitadeiras fabricadas.

A decisão da SLC foi fundamental para expandir o desenvolvimento de pessoas e tecnologia em prol dos produtores. "A empresa definiu que a John Deere seria sua parceira tecnológica, e, além disso, também investiu nos colaboradores. Visando desenvolver as pessoas e manter os talentos na empresa, foi criado um time de profissionais com os que já estavam na organização", explica Ariosto Moraes.

Crescimento de geração a geração

Ivo Possatto, de Arapoti (PR) teve diversas experiências empreendedoras antes de se dedicar exclusivamente à sua paixão: a pecuária. Madeireira, posto de gasolina e revenda de tratores são algumas das atividades que o agricultor, que tem 93 anos de idade, exerceu. Sua primeira lavoura foi de café, em 1953, e em 1965 já plantava arroz, feijão, trigo e soja, sendo sua família considerada uma das pioneiras na plantação de soja no Estado do Paraná.

A família Possatto possui diversos equipamentos John Deere e Ivo Possatto conta que desde a década de 50 tem proximidade com a marca. "Era muito difícil na época, a única alternativa que tínhamos era importar o equipamento. Sendo assim, minha primeira colheitadeira foi um modelo John Deere vindo de Moline", conta.
Logo após, em 1965, Ivo Possatto adquiriu quatro modelos SLC-65 para padronizar a frota de sua propriedade. "Eu trabalhava direto com a máquina, era um equipamento sem capota, colhíamos a céu aberto e não era hidráulica", lembra.

Ele ainda reforça que a evolução dos equipamentos durante todos esses anos é algo incrível. "Não colhíamos a granel, mas em sacas. Naquela época a colheitadeira era revolucionária e fazia cerca de 500 sacas por dia, hoje podemos dizer que a Série S faz cinco mil no mesmo período de tempo", afirma.

O patriarca passou para seus filhos e netos a paixão pelo trabalho com a terra e a visão de futuro das atividades relacionadas ao agronegócio. Hoje, Ivo Possatto Filho e Ivo Possatto Neto investem na produção de canola como alternativa para safra de inverno. Como ainda é algo recente no país e com poucos produtores, a família incentiva a expansão da cultura. A família que teve a máquina pioneira da década de 60 fez história com a John Deere e possui a moderna colheitadeira da Série S670, equipada com soluções em gerenciamento agrícola.

Evolução que cresce com o Brasil

A história da John Deere é marcada pelo foco em desenvolvimento de produtos, com tecnologias que garantem mais produtividade, com maior disponibilidade e o menor custo de operação. Nos seus 177 anos, a história da companhia se mistura com inovações agrícolas que revolucionaram o campo, sendo que a inovação é um dos pilares que mais caracteriza a empresa.

A prova mais recente da alta tecnologia voltada para o agricultor é o projeto global de pesquisa e desenvolvimento que resultou na nova Série S de colheitadeiras John Deere.

São cinco modelos disponíveis (S540, S550, S660, S670 e S680), mais eficientes e garantem que o trabalho seja concluído em um curto espaço de tempo, com cerca de 15% mais produtividade que os concorrentes, podendo, deste modo, finalizar a colheita em até sete dias antes do previsto.

As máquinas apresentam exclusivo monitor de controle CommandCenter, sensível ao toque e o sistema inteligente HaverstSmart que varia a velocidade da colheitadeira automaticamente controlado pelas perdas esperadas e pela alimentação do equipamento.

E para reduzir o custo da tonelada colhida, a Nova Série S disponibiliza o novo sistema de limpeza DF3, que limpa melhor os grãos, separando dos resíduos, e a área da peneira 30% maior proporciona mais qualidade na colheita e sem perdas na lavoura.

"As colheitadeiras da Série S garantem mais produtividade em função da tecnologia embarcada, o que proporciona a colheita de até um hectare a mais por hora do que um equipamento de outra marca da mesma categoria, e ainda, com ganhos de eficiência no consumo de combustível em até 17%", afirma Alex Sayago, diretor de Vendas da John Deere Brasil e diretor de Marketing para a América Latina.


Agrolink com informações de assessoria

Number of views (1500)/Comments (0)

Tags:

Please login or register to post comments.

Suínos

Bovínos

Frango/Ovo

Leite e Derivados

Carne e Derivados

Madeira Cavaco

Mercado Financeiro

Cotação (máx)
R$ 3,20
BRFSC
R$ 3,20
JBS
R$ 3,30
AuroraSC
R$ 3,30
Pamplona
R$ 3,50
MT
R$ 3,80
SC
R$ 3,98
RS
R$ 4,00
GO
R$ 4,00
MG
R$ 4,00
PR
R$ 4,21
SP
R$ 25,88
Milho SC
R$ 26,73
Milho SP
R$ 54,71
Soja SP
R$ 57,00
Soja SC



Powered by BlueServer
O Site da Carne é um veículo de propriedade do Grupo Agro.

Endereço: Bairro Santa Maria, Rua Curitiba, 727d. CEP 89812150. Chapecó - SC.

Telefone: (49) 3304 - 9240.